Arte Reside


A arte não me pertence
Pertenço ao próprio apreciar
Próprio que não há
Que em mim apenas adentre

Pois escrever é mais que criar no papel
É revelar o que não está escrito
Lembrar é redesenhar o céu
É dizer a si o que poderia ser dito

Cantar é as notas achar
É procurar as notas que ainda não existem
Dramatizar é mais que encenar
É fazer da cena lugar onde os sonhos residem

Residir é um verbo que o João-de-barro desenhou
Lá em cima, nas árvores
Cantando, uma morada esboçou
Pra acolher seus amores

Elionai Dutra
Poemas

*Imagem: João-de-barro

Comentários

  1. Um poema de muita sensibilidade!

    Quando você aprende a se deixar levar pelas palavras e se entrega completamente você consegue construir e revelar o que ainda não foi descoberto e essa sensibilidade que é pra poucos.

    Parabéns pelo dom!!!

    Abraço,
    Nara! =)

    ResponderExcluir
  2. Sim! É preciso deixar-se residir pela arte...

    Muito obrigado! Teu comentário é mais que precioso para mim!

    Abraço, Nara! :)

    ResponderExcluir
  3. Parabéns Eli....sempre deixando o nosso dia mais poético!

    ResponderExcluir
  4. Muito obrigado, Lucy!!

    Que os dias sejam assim e nos alegrem à noite...

    Obrigado! ;)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por comentar. Participe de outras categorias. Um Abraço!

Postagens mais visitadas deste blog

Uma nota louca... Só isso!

#1 Páginas Ouvidas - Lavadeiras de Mossoró - Carlos Drummond de Andrade