Pés de moleque


Um doce de abóbora, por favor!
Para os meninos, para ciganos de esquina.
Guarda-sóis aos que buscam mãos do destino,
é desatino este torpor.

Guarda-chuvas azul-piscina
para tempestade... Para!
Sapatos vermelho-escuros
pois o asfalto já sangra de medo e crueldade
é piso escuro-rubro.

Doces à geração amarga!
Não, não bata com cintos azul-marinho.
Não há cor que aguente tais surras ao menino.

Mulas com cabeça, apenas (ab) surdos!
Não ouvem os pés de esperança ao cruzarem idas.
Dormem vidas, doces, pés de moleque, partidas!
Perdoem homens surdos-mudos.

Elionai Dutra
Poemas

*Imagem: Anjos da rua

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

#1 Páginas Ouvidas - Lavadeiras de Mossoró - Carlos Drummond de Andrade

Uma nota louca... Só isso!

Lacres!