Sopro

Mar...de alma sagrada
De corpo salgado
De cor verde azulada
De maré num instante
Na estante a contemplar
Águas que escondem
O Profundo...

Eu...de alma maculada
De corpo profano
Da cor do medo
De crise na estante dos réus
Na memória eterna de Deus
Sopro que traz
O Perdão...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

#1 Páginas Ouvidas - Lavadeiras de Mossoró - Carlos Drummond de Andrade

Uma nota louca... Só isso!

Glo(bra)lizado