O que Aprendi da Vida?

Texto Por: Elionai Dutra

"O que sempre imaginei em mim não era o ar da vida, mas, o que sempre a vida me dera foi o repouso demorado dela."

Não sou qualquer um, vivo sempre com a alma, mas sei que vou morrer...morrer para as coisas passageiras e para as formas abstratas que aqui conheci...o mundo não mais me olha, eu o olho e não vejo razão de parar de olhar...e se tudo fosse como queria, talvez o mundo não existisse, mas, sim, o espaço que criaria em meus pensamentos...sento-me e recosto minha cabeça nesse banco...tal é meu peso que parece sustentar a força quase acabada...tantas coisas para refletir, por isso sentei aqui...não por ver a meta do pensar, mas por, num gesto cândido, e sem deleites próprios me recolher em mim mesmo...o que espero das incertezas da vida é que somente elas me fazem voar dentro de mim...entendo a lógica, mas não queria compreendê-la ao todo...cada tempo perdido e outro acomodado, por isso choro ao me recordar dos tempos que vivia a saltitar pelas ruas, a ver minha mãe sorrindo e ao mesmo tempo pensativa ao olhar nos meus olhos...o que é a vida senão um aprendizado constante e intrigante da existência, não somente minha, mas de todos que estão ao meu redor; parecem não ver  e fingem o que sentem...outrora poetas, mais tarde amigos, e aqui pensadores de um tempo passado e um espaço presente...essa terra que tantos regaram e poucos cultivaram é minha terra natal...terra dos meus pais...terra onde ainda vivo e muitos passam por ela...mas são poucos que a beijam como se fosse seu próprio jardim...para mim, não é difícil falar da vida, pois o que presenciei, não foram contos de uma história passageira, mas o começo de um tempo...o tempo dos que ainda querem conhecer a vida por inteiro...e, vida, não é simplesmente respirar, falar, sentir; é conhecer as coisas como se elas fossem presentes secretos, é viver as dificuldades com o teor da coragem de dentro do ser para que, com o aprendizado da vida, o sentido dela possa ser recolhido na memória da existência...não somente aprendo a viver como também aprendo a crescer...esse crescimento vem...chega, e nem percebo sua chegada por estar muito longe das pessoas...e são momentos assim que aprendo a escrever sobre os dias poucos de minha vida...sei da vida, mas saberei muito mais quando vivê-la para sempre...

E sempre quero está no Banco...onde aprendi ser o que tentava encontrar num esconderijo chamado Inocência...

O que aprendi da vida?
Que ainda preciso vivê-la...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma nota louca... Só isso!

#1 Páginas Ouvidas - Lavadeiras de Mossoró - Carlos Drummond de Andrade

Arte Reside